Quick
index
main
eev
eepitch
maths
angg
blogme
dednat6
littlelangs
PURO
(C2,C3,C4,
 λ,ES,
 GA,MD,
 Caepro,
 textos,
 Chapa 1)

emacs
lua
(la)tex
maxima
git
lean4
agda
forth
squeak
icon
tcl
tikz
fvwm
debian
irc
contact

Matemática Discreta - 2010.2

O livro principal do curso é Scheinerman: "Matemática Discreta, uma introdução". A biblioteca tem vários exemplares; o código dele na biblioteca é 510/S316.

Vamos usar o Hopcroft/Motwani/Ullman, "Introdução à teoria de autômatos, linguagens e computação", como livro auxiliar (mas praticamente só vamos usar o primeiro capítulo dele). O código dele na biblioteca é 005.73/H791.

Horários:

.      2a           3a           4a          5a
 9                                     + - - - - - +
                                       :  reuniões :
                                       :  c.ética  :
                                       :           :
11 +-----------+ - - - - - +-----------+ - - - - - +
   | Mat Disc  | Monitoria | Mat Disc  | 
   |  sala 12  | MD - Fred |  sala 12  |
   |           |  (sala?)  |           |
13 +-----------+ - - - - - +-----------+ 

14 +-----------+           +-----------+             
   |atendimento|           |atendimento|
   |   GP-2/   |           |   GP-2/   |
   |  Julien's |           |  Julien's |
16 +-----------+           +-----------+ - - - - - +
   | Cálculo 2 |           | Cálculo 2 |  reuniões :
   |  sala 10  |           |  sala 10  | de depar- :
   |           |           |           |  tamento  :
18 +-----------+           +-----------+ - - - - - +
   : Monitoria :
   : MD - Fred :
   :  (sala?)  :
20 + - - - - - +

Material do semestre anterior que pode ser útil:

http://angg.twu.net/MD/MD_exercicios_2010mar29.pdf
http://angg.twu.net/MD/MD_exercicios_2010mar29_gabarito.djvu
http://angg.twu.net/MD/MD_exercicios_2010mar29_gabarito.pdf
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-1.pdf   (<- inclui exercícios)
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-2.pdf
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-3.pdf   (<- falta digitar)
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-VS.pdf
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-exercs-P4.pdf
http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-VS2.pdf

Ainda não terminei o plano de curso! 8-(

Datas marcadas e o que foi dado nas aulas que já aconteceram:

1ª aula (09/ago): Ninguém veio (1ª semana)
2ª aula (11/ago): Introdução ao curso...

3ª aula (16/ago): (...)
4ª aula (18/ago): Depois eu vou digitar o resumo da aula -
  por enquanto vai só o exercício mais urgente.
  Estamos usando (temporariamente!) as seguintes definições:
    Se b∈{2,3,...} então
      _b é primo_ se e só se ∃a∈{2,...,b-1}.a|b;
    Se n∈N então
      _n é par_ se e só se ∃k∈{0,1,...,n}.2k=n;
    Se n∈N então
      _n é ímpar_ se e só se ∃k∈{0,1,...,n}.2k+1=n.
  Exercício (***MUITO*** importante):
    calcule (passo a passo, como sempre), o valor de:
      6 é primo,
      2 é par,
      3 é par,
      3 é ímpar.
  Obs: a versão 0.00 (muito preliminar) das notas sobre a relação
  de redução está aqui:
    http://angg.twu.net/LATEX/2010reducao.pdf

5ª aula (23/ago): Trabalhamos com a folha de "Exercícios sobre
  expressões equivalentes" que eu preparei no semestre passado:
    http://angg.twu.net/MD/MD_exercicios_2010mar29.pdf
  Acho que deixei bem claro que o objetivo mais básico (e mais
  urgente!) desta aula era todo mundo sair sendo capaz de completar
  por si mesmo esta tabela: se A={1,2} e B={2,3} então
                         P(x) = (x=3)   P(x) = (x=1->x=3)   P(x) = V
                         -------------+-------------------+---------
    (E0)  ∀x∈A∪B.P(x)         F       |         F         |     V
    (E1)  ∀x∈A∩B.P(x)         F       |         V         |     V
    (E2)  ∃x∈A∪B.P(x)         V       |         V         |     V
    (E3)  ∃x∈A∩B.P(x)         F       |         V         |     V
    (E4)  ∀x∈A.(x∈B->P(x))    F       |         V         |     V
    (E5)  ∀x∈A.(x∈B∧P(x))     F       |         F         |     F
    (E6)  ∃x∈A.(x∈B->P(x))    V       |         V         |     V
    (E7)  ∃x∈A.(x∈B∧P(x))     F       |         V         |     V
6ª aula (25/ago): Tentamos classificar as expressões E_0,...,E_7
  em vários grupos de expressões equivalentes, e chegamos a uma
  classificação preliminar:
                         P(x) = (x=3)   P(x) = (x=1->x=3)   P(x) = V
                         -------------+-------------------+---------
    (E5)  ∀x∈A.(x∈B∧P(x))     F       |         F         |     F
    (E0)  ∀x∈A∪B.P(x)         F       |         F         |     V
    (E1)  ∀x∈A∩B.P(x)         F       |         V         |     V
    (E3)  ∃x∈A∩B.P(x)         F       |         V         |     V
    (E4)  ∀x∈A.(x∈B->P(x))    F       |         V         |     V
    (E7)  ∃x∈A.(x∈B∧P(x))     F       |         V         |     V
    (E2)  ∃x∈A∪B.P(x)         V       |         V         |     V
    (E6)  ∃x∈A.(x∈B->P(x))    V       |         V         |     V
  mas ainda não vimos como distinguir E1,E3,E4,E7 (ou provar que
  são equivalentes); idem para E2 e E6.
  Falei que uma outra relação mais fraca que equivalência vai ser mais
  importante pra nós que equivalência: "->". Vimos como ela se
  comporta para os predicados P(n)=2|n, P(n)=3|n, P(n)=6|n.

7ª aula (30/ago): Semana de Paralisação e Pesquisa:
    http://angg.twu.net/spp-2010.html
    Vou passar exercícios - uns em sala, outros pra casa - e a aula em
    si vai durar menos que o normal. Vamos ter atividades extras
    (opcionais - só pra quem quiser participar), mas elas só serão
    definidas no próprio dia.
8ª aula (01/set): idem.

9ª aula (06/set): Enforcado - véspera de 7/setembro.
10ª aula (08/set): Modos de definir funções; se o domínio de f:A->B é
  finito basta definir o valor de f para cada elemento do domínio;
  muitas vezes funções e seqüências são definidas "indutivamente",
  como as que aparecem no Scheinerman a partir da p.154, por exemplo:
    k_n = 1 quando n = 0, k_n = 2 * k_(n-1) quando n > 0
  Pedi pros alunos calcularem em casa B_0, ..., B_16 quando (B_0, B_1,
  ...) é esta seqüência definida indutivamente "de um modo estranho":
    B_0      = 0
    B_(2n)   = 10 * B_n       para n∈{1, 2, 3, 4, ...}
    B_(2n+1) = 10 * B_n + 1   para n∈{0, 1, 2, 3, ...}
  Começamos a ver que uma definição por casos, como
    F(n) = / 1 quando n=0
           | 1 quando n=1
           \ F(n-2)+F(n-1) quando n>=2
  é equivalente a uma certa expressão lógica - essa F é a única função
  F:N->N que obedece:
    ∀n∈N.((n=0 -> F(n)=1)
         ∧(n=1 -> F(n)=1)
         ∧(n>=2 -> F(n)=F(n-2)+F(n-1)))
  Esta idéia de procurar a única função que obedece uma certa
  propriedade é parecida com procurar o único número que obedece
  certas equações... por exemplo, temos dois valores de x que
  obedecem:
    (x-1)(x+2)=0,
  um só valor de x que obedece:
    (x-1)(x+2)=0 ∧ x>0,
  e nenhum valor de x que obedece:
    (x-1)(x+2)=0 ∧ x>3.
  Começamos a ver como escrever demonstrações e contas grandes usando
  "proposições", "lemas", etc. Veja:
    http://angg.twu.net/MD/MD_props_e_lemas_2010sep08.pdf

11ª aula (13/set): relações reflexivas, simétricas e transitivas,
  formalmente e graficamente. Vimos como provar que certas relações
  não são R/S/T encontrando contra-exemplos, e usando idéias da folha
  sobre proposições e lemas. Vimos fecho reflexivo, fecho simétrico e
  fecho transitivo. Um comentário, pros alunos pensarem em casa: a
  relação de "redução", que ainda não definimos precisamente, é
  transitiva.
12ª aula (15/set): funções, formalmente: o gráfico de uma função
  f:A->B é uma relação R de A em B obedecendo ∀a∈A.∃!b∈B.aRb.
  É possível definir o "∃!" em termos de outras operações que já
  conhecemos:
    ∃!b∈B.P(b) <-> (∃b∈B.P(b))∧(∀b,b'∈B.(P(b)∧P(b')->b=b')).
  Pegamos um exemplo: A={1,2,3}, B={1,2,3,4},
  S={(1,4),(2,1),(3,2),(3,3)}. Sabemos que S não é (o gráfico de)
  uma função de A em B, mas como mostrar isto formalmente, sem
  contas enormes, traduzindo a nossa intuição para algo formal?
  Uma solução possível é esta. Se P(b) = aSb então:
  Lema: se a=3, b=2, b'=3, então           P(b)∧P(b')->b=b'   é falso.
  Lema: se a=3 então              ∀b,b'∈B.(P(b)∧P(b')->b=b'   é falso.
  Lema: se a=3 então (∃b∈B.P(b))∧(∀b,b'∈B.(P(b)∧P(b')->b=b')) é falso.
  Lema: se a=3 então ∃!b∈B.P(b) é falso.
  Lema: ∀a∈A.∃!b∈B.aSb é falso.
  Teorema: S não é o gráfico de uma função de A em B.

13ª aula (20/set): notação {_|_} para gerar conjuntos - e o que mais?
14ª aula (22/set): notação {_|_}, de novo; composição de funções;
  {(a,f(a))|a∈A} sempre gera o gráfico de uma função; algumas funções
  interessantes com domínios infinitos: |·|, conjunto das partes,
  o "inf" de subconjuntos de N não-vazios.
  Passamos um tempão vendo versões adaptadas das questões 2 e 4 da P1
  do semestre passado:
    http://angg.twu.net/LATEX/2010-1-MD-prova-1.pdf
  mais precisamente, vimos como a sentença
    d_0=0 ∧
    ∀n∈N.((d_n=n -> d_(n+1)=10·d_n+9) ∧
          (d_n!=n -> d_(n+1)=d_n))
  define uma sequência (d_0, d_1, ...) tal que, por exemplo:
    d_0   = 0     (porque 0 não tem nenhum dígito significativo)
    d_6   = 9     (porque 6 tem 1 dígito significativo)
    d_22  = 99    (porque 22 tem 2 dígitos significativos)
    d_407 = 999   (porque 407 tem 3 dígitos significativos)
  e aí podemos definir a++b ("concatenação") como a·(d_b+1)+b.
  Pedi pros alunos tentarem fazer os problemas da P1 do semestre
  passado.

15ª aula (27/set): vimos a seqüência D_0={0}, D_1={1}, D_2={2, 11},
  D_3={12, 21, 111}, que diz todos os modos de cobrir um retângulo 2×n
  com dominós; ela pode ser definida "mais-ou-menos formalmente" por:
    D_n = {k∈{0,...,10^k} | todos os dígitos de k são "1" ou "2",
                            a soma dos dígitos de k é n}
  e esta definição nos permite checar rapidamente que, por exemplo,
     99∈D_4 é falso, e
    121∈D_4 é verdadeiro.
  O modo como estamos encarando a notação {_|_} - como sendo feita de
  "geradores" e "filtros" - não é exatamente o padrão; o mais usual é
  interpretarmos a construção {_|_} como uma relação de pertencimento
  disfarçada, e:
    34 ∈ {10a+4b | a∈N, b∈N, b<=2} -~-> ∃a∈N.∃b∈N.(b<=2 ∧ 10a+4b=34)
  Lembre que tínhamos um modo de comparar conjuntos finitos, e um modo
  de comparar funções comparando os seus gráficos (como conjuntos)...
  Por incrível que pareça, a operação de comparar dois conjuntos
  quaisquer é considerada admissível matematicamente, apesar de que
  intuitivamente ela é péssima - para comparar duas funções de R em R
  temos que testar se elas dão o mesmo resultado para todo x∈R, o que
  já é ruim, porque R é infinito; mas pra testar se A=B quando A e B
  são conjuntos temos que testar se x∈A e x∈B dão os mesmos resultados
  para _todos os valores possíveis de x_ - para "x"zes que são
  números, para "x"zes que são conjuntos, para "x"zes que são listas,
  etc...
  Definimos a seqüência (E_0, E_1, E_2, ...) de conjuntos por:
    E_0 = {0},
    E_1 = {1},
    E_n = {10a+1 | a∈E_(n-1)} ∪ {10b+2 | b∈E_(n-2)}   (para n>=2),
  e pedi pros alunos calcularem E_2 e E_3.
  É bem mais fácil calcular formalmente (|E_0|, |E_1|, |E_2|, ...) -
  que dá (1, 1, 2, 3, 5, 8, ...) - do que calcular as cardinalidades
  dos "D_n"s. Aos poucos vamos ver como provar sentenças como
    ∀n∈N.D_n=E_n.
16ª aula (29/set): mais definição indutivas (obs: preciso olhar no
  caderno de alguém pra descobrir o que eu dei). Terminei a aula com
  uma definição indutiva equivalente a isto:
    M_(n,d) = {(x_1,...,x_n) | x_1,...,x_n∈{0,...,9}, x_1=d, 
                               x_1 >= x_2 >= ... >= x_n}.

17ª aula (04/out): revisão, toda em cima de uma lista de exercícios
  (falta scaneá-la).
18ª aula (06/out): P1:
  http://angg.twu.net/MD/MD_P1_2010oct06.pdf

19ª aula (11/out): Enforcado - véspera de 12/outubro (N.Srª aparecida).
20ª aula (13/out): Começamos a ver demonstrações. Todos os problemas
  deste módulo do curso vão ser da forma "convença alguém que...", e a
  distinção que vai ser mais útil pra gente não vai mais ser a entre
  "expressões verdadeiras" e "expressões falsas", e sim a entre "o que
  já sabemos" e "o que ainda não sabemos" - e vamos ver como aumentar
  o conjunto das coisas que sabemos. Comecei com um exemplo:
  2^4-2^3=2^3 é verdade, mas não é nada óbvio que 2^100-2^99=2^99 seja
  verdade; no entanto, isto
    2^100 - 2^99 = 2*2^99 - 1*2^99
                 = (2-1)*2^99
                 = 2^99
  convence qualquer pessoa de que 2^100-2^99 = 2^99 é verdade, sem que
  precisemos calcular numericamente nenhuma das expressões.
    Tentei fazer um paralelo com uma tabela que construímos para
  calcular os valores da seqüência (b(0), b(1), ...) (definida
  abaixo); a gente começava com uma tabela quase toda vazia (cheia de
  "não sei"s), e ia preenchendo ela aos poucos - e a ordem na qual a
  gente ia preenchendo ela era importante. Não sei se fui muito
  convincente nessa comparação. 8-)
  Consideramos cinco seqüências:
    (b(0), b(1), ...), com axiomas:
      (B0) b(0)=0
      (B1) ∀k∈N.b(2k)=10*b(k)
      (B2) ∀k∈N.b(2k+1)=10*b(k)+1
    (c(0), c(1), ...), com axiomas:
      (C0) c(0)=0
      (C1) ∀k∈N.c(2k)=10*c(k)
      (C2) ∀k∈N.c(2k+1)=10*c(k)+1
      (C3) ∀k∈N.c(k+1)=c(k)+1
    (a(0), a(1), ...), com axiomas:
      (A1) ∀k∈N.a(2k)=10*a(k)
      (A2) ∀k∈N.a(2k+1)=10*a(k)+1
      (A3) ∀k∈N.a(k)∈R
    (e(0), e(1), ...), com axiomas:
      (E0) e(0)=0,      
      (E1) ∀k∈N.e(k+1)=10*e(k)+1
    (f(0), f(1), ...), com axioma:
      (F1) ∀k∈N.f(k)=(10^k-1)/9
    (g(0), g(1), ...), com axiomas:
      (G199) g(199)=(10^199-1)/9
      (G200) g(200)=10*g(199)+1
  Os exercícios foram provar que b(5)=101, c(4)=100, c(4)=4, a(0)=0,
  a(4)=100; depois calcular e(0), e(1), e(2), e(3), f(0), f(1), f(2),
  f(3), e provar que g(200)=(10^200-1)/9 (este último ficou pra casa).
  Um exemplo de um modo de arrumar demonstrações:
    1) b(0)=0               (por B0)
    2) b(2*0+1)=10*b(0)+1   (por B2, com k=0)
    3) b(1)=10*b(0)+1       (por (2))
    4) b(1)=0+1             (por (3) e (1))
    5) b(1)=1               (por (4))
    6) b(2*1)=10*b(1)       (por B1, com k=1)
    7) b(2)=10*1=10         (por (6) e (5))
    8) b(5)=b(2*2+1)=10*b(2)+1=10*10+1=101   (por B2 com k=2 e (7))

21ª aula (18/out): Examinamos vários fatos que iremos provar por
  indução, e examinamos a "prova direta" que está escondida dentro de
  cada um deles (e que o livro finge que é trivial).
  Pra casa: livro, p.155, problemas 2,3,4; p.165, problemas 2,3,4.
  Avisei que estes problemas são trabalhosos, e mostrei que pra
  formalizá-los temos que dar nomes a certas seqüências e definí-las
  indutivamente - p.ex., a_n = 1 + 2 + ... + n.
22ª aula (20/out): Semana de Ciência e Tecnologia.

23ª aula (25/out): Começamos a ver como arrumar as tais "provas
  diretas" em árvores - mas a aula não foi muito clara.
24ª aula (27/out): Motivação: o problema da pirâmide de cervejas.
  Sabemos que:
    A \subseteq {1,2,3,4,5,6}   (alfa)
    1∈A -> 2∈A ∧ 3∈A            (beta)
    2∈A -> 4∈A ∧ 5∈A            (gama)
    3∈A -> 5∈A ∧ 6∈A           (delta)
    1∈A                      (epsilon)
  Como provar formalmente que se alfa, beta, gama, delta e epsilon são
  verdade então 6∈A? Vimos a prova em árvore disto (usando as regras
  ∧E1, ∧E2, ∧I, ->E) e traduzimos ela para uma prova "linha a linha",
  que depois foi modificada para ter uma linha de tipo "suponha que".
  A versão modificada era:
    1) Sabemos que   1∈A->2∈A∧3∈A,              (pela hipótese beta)
    2) e sabemos que 3∈A->5∈A∧6∈A.              (pela hipótese delta)
      3) Vamos supor (temporariamente) que 1∈A.
      4) Então 2∈A∧3∈A,                         (por (3), (1) e ->E)
      5) e     3∈A,                             (por (4) e ∧E2)
      6) e     5∈A∧6∈A;                         (por (5), (2) e ->E)
      7) daí,  6∈A.                             (por (6) e ∧E2)
    8) Portanto 1∈A->6∈A.                       (por (3)-(7) e ->I)
  A regra que empurra a hipótese do "suponha" pra dentro da conclusão
  é difícil de entender (marquei ela com três caveirinhas), e todo
  mundo vai ter que praticar ela bastante.
    beta, delta, 1∈A |- 6∈A
    -----------------------(->I)
    beta, delta |- 1∈A->6∈A

25ª aula (01/nov): Feriado: dia do funcionário público
26ª aula (03/nov): discussão sobre como provar que ∀n∈N.2^n<=n!.

  Os alunos tinham uma noção intuitiva de que isso devia ser verdade,
  mas eu disse que 2^777 > 777! e que portanto a situação era bem mais
  complicada do que parecia, e que teríamos que analisar tudo com
  cuidado. No final da aula eles chegaram a este argumento:
        2^4 < 4!
      ------------
      2·2^4 < 5·4!
    ----------------
    2·2·2^4 < 6·5·4!
    ----------------
    ................
    ----------------
      2^777 < 777!

27ª aula (08/nov): Semana Acadêmica.
  **** Aviso 1: vai ter aula (as atividades da semana acadêmica só
       começam de tarde). Aviso 2: todos os assuntos pendentes da P1
       serão resolvidos (mas talvez de um modo um pouco surpreendente).
       Aviso 3: as próximas aulas serão em cima de textos extras e
       listas exercícios. Vou por os primeiros no site de noite. ***
    (Mas ninguém veio na aula e o PURO estava praticamente vazio, aí
    eu esperei meia hora e fui fazer outras coisas.)
28ª aula (10/nov): Semana Acadêmica.

29ª aula (15/nov): Feriado: proclamação da república
30ª aula (17/nov):
    http://angg.twu.net/MD/MD_sists_dedutivos_2010nov17.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_sists_dedutivos_2010nov17.djvu

31ª aula (22/nov):
    http://angg.twu.net/MD/MD_sists_dedutivos_2010nov21.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_sists_dedutivos_2010nov21.djvu
32ª aula (24/nov): Vou ter que estar no fórum do Rio neste dia, pra
  uma audiência de um processo trabalhista no qual eu estou envolvido.

33ª   aula (29/nov): P2. Matéria: demonstrações.
    Scan da prova e do gabarito:
    http://angg.twu.net/MD/MD_P2_2010nov29.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_P2_2010nov29.djvu
33.5ª aula (30/nov): aula extra (18:00, sala E10).
    Mini-introdução a estruturas algébricas: anéis, grupos, monóides.
    Permutações.
34ª   aula (01/dez): Idem, com um ponto de vista um pouco diferente.
    Expliquei que uma coisa que vai pesar muito na P3 é o esquema de
    prova 23, da p.333 do Scheinerman, que é sobre provar que uma
    estrutura é um grupo, e que pelo menos 4 pontos da prova vão ser
    em questões relacionadas com provas de implicações. Os exercícios
    que eu recomendo pra treinar esse tipo de prova são os exercícios
    3 e 4 da p.165, numa forma um pouco simplificada - por exemplo:
      3a: se as seqüências (a_0, a_1, ...) e (b_0, b_1, ...)
        são definidas por:
          (∀n∈N. a_n = a_(n-1) + (3n-2)) ∧ (a_0 = -2)   e
          (∀n∈N. b_n = n(3n-1)/2),
        prove que:
           ∀n∈N. a_n=b_n -> a_(n+1)=b_(n+1)
    *** Obs: tentem encontrar a "forma simplificada" do 3b, 3c, 3d,
      4a, 4b, 4c por si mesmos - tenho que cuidar de outras coisas por
      enquanto (incluindo a correção da P2) e não sei se vou poder pôr
      todas as formas simplificadas aqui na página a tempo!

35ª   aula (06/dez): P3:
    http://angg.twu.net/MD/MD_P3_2010dec06.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_P3_2010dec06.djvu
35.5ª aula (07/dez): aula extra (18:00)
36ª   aula (08/dez): Feriado municipal (dia de São Jesus das Ostras).
36ª   aula (10/dez): VR (14:00)
    http://angg.twu.net/MD/MD_VR_2010dec10.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_VR_2010dec10.djvu

37ª aula (13/dez): VS
    http://angg.twu.net/MD/MD_VS_2010dec13.pdf
    http://angg.twu.net/MD/MD_VS_2010dec13.djvu
38ª aula (15/dez):
Notas:
                           P1   P2   P3       VR      VS
Arthur             0.0 ->  6.0  0.5  0.0       -  R
Bruno Paulo       11.4 -> 11.4  8.8 10.0   AP  -  
Carlos             0.7 ->  6.0  5.2  3.4      3.0 VS  2.4
Dangelo             .  ->  6.0  0.4  1.4      0.0 R
Douglas             .  ->  6.0   -    -        -  R
Eduardo Machado     .  ->  6.0  2.2  1.4       -  R
Eduardo Piassi     0.5 ->  6.0  2.5  2.6       -  R
Fernanda            .  ->  6.0  2.3  3.4      3.5 VS
Fernando            .  ->  6.0  0.5   -        -  R
Flávio Telles       .  ->  6.0  2.4  5.4      4.7 VS  3.2
Gustavo             .  ->  6.0   -    -        -  R
Iuri                .  ->  6.0   -   2.1       -  R
Jorge Severo        .  ->  6.0  0.0   -        -  R
Jó Vieira           .  ->  6.0  4.1  2.7      1.0 VS  1.0
Luis Everardo      6.3 ->  6.3  2.4  6.2      4.0 VS  1.0
Luiz Paulo         0.6 ->  6.0  1.4  2.9       -  R
Marcelo             .  ->  6.0  2.8  3.7       -  VS
Paula              7.0 ->  7.0  6.0  5.6   AP 6.3
Paulo Cézar       12.5 -> 12.5  7.5 11.0   AP  -
Pedro Henrique      .  ->  6.0  0.5  0.8       -  R 
Pedro Paulo         .  ->  6.0  2.3   -        -  R
Rafael Andrade     0.0 ->  6.0 10.5  3.6   AP  -
Rafael Marques     4.6 ->  6.0  0.3  3.4       -  R
Rodrigo             .  ->  6.0  0.5  3.0       -  R
Romai              3.4 ->  6.0   -    -        -  R
Sávio Cândido       .  ->  6.0  5.0  6.8   AP  -  
Viernanryck         .  ->  6.0  6.1  5.4   AP 2.0
Vinicius           0.0 ->  6.0  0.2   -        -  R
Vitor              5.5 ->  6.0  5.8  2.0      7.4

Página da versão de 2009.2 do curso: 2009.2-MD.html.